João Melo 

Para comerciantes, mudança pode atrair mais consumidores às lojas em razão dos juros menores.

A partir do final do primeiro trimestre de 2017, usuários do cartão de crédito não poderão ultrapassar mais que 30 dias no rotativo, linha emergencial para não pagar o valor integral da fatura. Após o prazo estabelecido, o cliente terá a dívida parcelada automaticamente. Para lojistas, essa mudança pode ser boa para o comércio, a fim de diminuir os juros e levar mais clientes nos estabelecimentos.

De acordo com a vendedora de uma loja de vestuário, Helena Dias, por enquanto não foi conversado sobre isso, porém ela acredita que a quantidade de parcelas não deve mudar. “Sempre faz em três parcelas, porque esses 10 dias, de 40, não fazem diferença nenhuma”. Para ela, o número de clientes não deve diminuir, e não terão cautela na hora das compras. “Talvez comprem até mais, porque os juros vão ser menores até. A gente paga muito juros hoje em dia.”

Já a atendente em uma loja de cosmético, Viviane Tavares Ribeiro, compartilha da mesma opinião, e acredita que a nova mudança pode trazer mais clientes ao comércio. “Acho que a loja vai pôr essa nova mudança sim e, por causa disso, clientes vão comprar mais; assim, as vendas podem aumentar bastante também.”

Para a atendente Vanessa Pereira Santos, que estava em um shopping fazendo compras para viajar, essa mudança é considerada positiva para consumidores. “Acredito que, limitando os juros no cartão, a gente vai conseguir comprar mais, com maior cuidado também.” Ela diz que costuma utilizar muito o cartão de crédito, porém com cautela. “O medo de ficar endividada é muito grande, por isso, acho que tem de usar com sabedoria, procuro não comprar muita besteira, mas, nas festas, como as de fim de ano, fica quase impossível não ultrapassar os gastos.”

A redução será feita para diminuir a inadimplência, resolvendo, desta forma, para pessoas que estão endividadas, podendo pagar as contas em até 30 dias. “Para a economia crescer, só tem um jeito, as pessoas voltarem a comprar. E para isso, precisam ter crédito ou dinheiro. Se a pessoa não consegue pagar o cartão em até 30 dias, automaticamente já vem parcelado”, explica a economista Márcia Barbosa. “Para o usuário continuar usufruindo esse crédito, ele preserva a capacidade de crédito e a capacidade de pagamento da pessoa, então ela continua comprando.” Ela avalia como excelente a mudança e sempre recomenda para que o usuário do cartão utilize o crédito para emergência, como em casos de doença, por exemplo.