A valorização do dólar ante o real, que atingiu 49% em 2015, é o principal motivo da alta nos preços

Juliana Montanha (juliana.montanha@redebahia.com.br)

Os pais vão sentir o bolso pesar na hora de comprar os itens da lista de material escolar neste ano. Os preços dos artigos escolares estão até 35% mais altos neste mês de janeiro em relação ao mesmo período de 2015. A informação é da Associação Brasileira dos Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares e de Escritório (Abfiae).

(Foto: EBC)

De acordo com a entidade, a valorização do dólar ante o real, que atingiu 49% em 2015, é o principal motivo da alta nos preços. “Mochilas, estojos e lancheiras irão subir mais porque são importados e, por isso, são afetados imediatamente pela valorização do dólar”, afirma Rubens Passos, presidente da associação.

O CORREIO tinha ido às ruas na última  semana de dezembro e constatou que o reajuste dos produtos alcançava a casa dos 30% na capital baiana, em  comparação ao ano anterior.Segundo Passos, o aumento médio, que deverá ficar em 10%, só não é maior porque os fabricantes estão segurando o repasse dos preços. “Os produtos fabricados aqui vão subir menos agora, pois, se o reajuste for repassado de uma vez só, ninguém mais compra ou vende”, afirma o presidente.

Ele afirma que o impacto da alta da divisa americana poderá ser sentido nos preços até 2018. “O papel, um dos principais insumos da indústria, é cotado em dólar. Os produtores já anunciaram aumentos superiores a 20% a partir de fevereiro. Então isso poderá afetar mais um ou dois anos”, diz. A projeção da entidade para este ano é que as vendas caiam 10% em relação ao ano passado.

Além da alta inflacionária e do dólar, a tributação em cima desses itens é outro fator que encarece a lista. Segundo um levantamento do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), o produto com mais encargos é a caneta, com carga tributária de 47,49%. Agendas, apontadores e borrachas, que também estão entre os itens mais básicos, têm até 43,19% de encargos. A régua é tributada em 44,65%. O consumidor que comprar um tubo de cola vai desembolsar 42,71% para os cofres públicos, enquanto um estojo terá 40,33% de seu preço em impostos.

Economize na compra do material escolar
Reaproveite Antes de sair às compras, os pais devem verificar os produtos que sobraram do ano anterior e reaproveitá-los.

Planeje Avalie se há necessidade de comprar material para o ano todo ou se é melhor fracionar a compra, por exemplo, semestralmente.

Pesquise  O consumidor deve pesquisar preços em diferentes pontos de venda, comparando marcas e estabelecimentos. Na impossibilidade de comprar cada item em locais diferentes, a saída é pesquisar a lista como um todo.

Junte a galera  Reúna outros pais e faça a compra em conjunto. Está é uma das melhores formas de economizar.

Deixe o filho em casa: para evitar pressões pela aquisição de produtos da ‘moda’, não leve os filhos às compras.

Avalie Observe a qualidade dos itens, o preço e as condições de pagamento. Evite pagamento parcelado, e sempre negocie descontos ou melhores condições. Exija a nota fiscal, tíquete do caixa ou cupom do ponto de venda, fundamentais no caso de troca.